Associação Paulista dos Técnicos de Seguro

Largo do Paissandu, 72 - 17° andar Cj. 1704

São Paulo - SP - 01034-901

apts@apts.org.br

Páginas oficiais

  • Wix Facebook page
  • Wix Twitter page
  • Wix Google+ page

Copyright © 2014 APTS. Todos os direitos reservados.  Política de privacidade.

Destaques

CCS-SP reúne associados para discutir MP 905 e autorregulação

12/02/2020

1/1
Please reload

Busca por Tags
Please reload

O empoderamento dos canais de distribuição

29/04/2019

A Inteligência Artificial chega aos corretores de seguros na forma de leads qualificados.

 

“Construímos uma máquina que utiliza a inteligência artificial para vender seguros”, anunciou Leonardo Rochadel, CEO fundador da O2O Bots. Mas, em vez de substituir o corretor, a inovação criada pela insurtech, que conta com o apoio da CNseg, serve justamente para facilitar o trabalho dos profissionais de venda de seguros. “Com o uso da inteligência artificial, capturamos o usuário online, conversamos e entregamos oportunidades qualificadas para os corretores venderem mais”, explicou. Segundo ele, para cada real investido, a máquina entrega 100 reais em oportunidades de negócios.

 

Por que inteligência artificial? “Porque o consumidor mudou e hoje, nove anos depois de ter o smartphone nas mãos, adquiriu novos hábitos e comportamentos”, respondeu Rochadel. Ele listou quatro das mais importantes mudanças do consumidor, começando pelo hábito do de esperar respostas instantâneas a qualquer hora e em qualquer lugar. Por outro lado, o segurado não deseja mais receber a ligação do corretor a qualquer hora. “Antigamente, para crescer, bastava colocar todos da corretora para ligar para os clientes. Mas, hoje, é preciso enviar uma mensagem antes de telefonar”, disse.

 

Diante dessas mudanças, Rochadel decidiu apostar chatbots (robôs que conversam como se fossem humanos). Por que? Em 2013, quando um investidor de sua empresa voltou da China convicto do fim dos aplicativos. “Os chineses não precisam instalar aplicativos no celular. Lá, o mercado desenvolveu o conceito de mini aplicativos, que rodam dentro de aplicativos de mensagens, os chamados chatbots”, disse. Para ele, uma prova de que essa tendência chegou ao Brasil é o sucesso do whatsapp.

 

 

Os robôs criados pela O2O Bots com tecnologia nacional são treinados para vender. As máquinas utilizam inteligência artificial e a personalidade de inside sales. “Não são robôs de atendimento ou SAC, são robôs treinados para qualificar leads em grande escala e entregar oportunidades qualificadas para os corretores venderem mais. É como se entregássemos um exército de robôs para cada corretor de seguros”, disse.

 

Rochadel explicou que os robôs têm conceito expandido. Isso significa que um robô pode atender milhares de consumidores ao mesmo tempo. “Se tiver um usuário conversando com uma plataforma, haverá um robô tralhando. Mas, se no segundo seguinte houver 5 mil usuários conversando, haverá 5 mil robôs trabalhando, ou seja, a plataforma se ajusta à demanda”, disse. Os robôs, segundo ele, realizam as tarefas operacionais e repetitivas, deixando os corretores com mais tempo para se dedicarem às vendas.

 

 

Até o momento, O2O Bots já mapeou mais de 30 processos operacionais e repetitivos, que poderão ser melhor executados pela inteligência artificial, como as cotações de seguros online, as renovações e até contratações. Rochadel apontou que a habilidade mais importante da máquina é o funil de vendas. “As pessoas clicam nos links dos sites das corretoras, recebidos por e-mail, e são direcionadas para conversar com a inteligência artificial, que os qualifica e oferece seguros”, disse.

 

Segundo Rochadel, o robô foi treinado para evitar que o cliente abandone a compra, entregando a finalização da venda para o corretor, que se encarrega de telefonar para o cliente.  Durante a conversa com o cliente, a máquina pode apresentar entre oito e dez tipos de seguros. “A máquina esquenta o lead, que deixa de ser qualificado para marketing e passa a ser um lead qualificado de venda”, disse.

 

 

“Entregamos para o corretor a capacidade de ligar para o cliente na hora certa, no momento em que está mais receptivo para receber uma venda consultiva”, disse. Rochadel afirmou que a inteligência artificial já consegue converter 97,32% das conversas em leads qualificados de marketing e, destes, 28% em leads qualificados de venda. A taxa de conversão é de 46%.  “Criamos uma plataforma que tem o propósito de empoderar os canais de distribuição de seguros”.

 

Fonte: Matéria extraída da revista APTS edição 132/133. Veja o PDF. Leia online

Please reload

Últimas notícias
Please reload